Casa Leonardo oferece Curso de Fotografia

Gosta de fotografar, mas não sabe se está utilizando a máquina da melhor maneira? A Casa Leonardo tem a solução. Um curso irá reunir grandes nomes da fotografia da região e do Estado para sanar todas as suas dúvidas e deixar os registros de seus melhores momentos ainda mais bonitos. O curso terá início no dia 18 de julho, com três aulas semanais, e duração de dois meses. Para o coordenador do curso, o fotógrafo Luiz Siqueira, o curso é uma ótima oportunidade para aprender ou se aperfeiçoar na fotografia. “Queremos mostrar novos olhares”, explica, completando ainda que em um pequeno espaço de tempo é possível dominar a câmera, aprender técnicas e “treinar” o olhar. “Para fazer uma fotografia bacana, temos que compreender a composição e o enquadramento”, explica.

Esta será a quinta edição do curso de fotografia da Casa Leonardo. “Pessoas que passaram por aqui já estão trabalhando com a fotografia de maneira profissional”, destaca Siqueira. E não é para menos, já que sete profissionais estão entre os professores. João Prospiter e Thiago Dea da capital paranaense, e Laertes Soares, Rodrigo Czekalski, Luiz Augusto Estacheski, Bruno Henrique, Luiz Augusto Estacheski e o coordenador Luiz Siqueira de Ponta Grossa compreendem o quadro docente.

Para passar uma visão ampla da fotografia, o grupo de profissionais abordará a história da fotografia, foto em estúdio, fotografia de rua e natureza, mercado fotográfico, além de programas como photoshop e lightroom. As aulas do curso de fotografia acontecem na Casa Leonardo nas segundas e quartas-feiras das 19 às 22 horas e aos sábados das 9 às 12 horas. Para inscrições e informações do curso ligar para (42) 32243010 ou 99150036 (whatsApp). As vagas são limitadas.

Ponta Grossa terá Leilão de Artes

Adquirir peças cobiçadas do ramo das artes por preços abaixo do mercado. Isso é possível. Ponta Grossa terá pelo segundo ano um Leilão de Artes. O evento realizado pela Art Market, em parceria com a Casa Leonardo está agendado para o dia 28 de junho com exposição das obras a partir das 19 horas. Em 2015, as instituições já se uniram e tiveram bons resultados. “O público do interior do Paraná nos recebe muito bem. Sempre com grande procura por peças de qualidade e também por boas oportunidades. Que é exatamente a finalidade do Leilão”, exulta o curador e proprietário da Arte Market, Claudio Calluf.

Esta é uma ótima oportunidade tanto para colecionadores, quanto para apreciadores da arte. “Estamos preenchendo uma lacuna na cidade, que não conta com este tipo de exposição e comércio”, explica Calluf. “É um evento diferenciado que estamos propondo. Esperamos um público interessado em investir no mercado de arte” prevê o empresário da Art Market.

Entre as ‘atrações’ do Leilão, o curador aponta o quaro do pintor Armando Romanelli, que ilustra o convite do evento. “É um belíssimo quadro e de um dos mais cotados artistas nacionais em atividade”, explica, citando a tela “Colheita de Algodão” (60 x 120 cm). “A peça faz parte de um dos temas mais cobiçados por colecionadores que buscam quadros do artista”, completa. Além de telas, o Leilão contará com tapetes persas, peças raras e de decoração.

Entre os tapetes, os que mais se destacam, de acordo com o curador, são o persa Kashan Fine, e um raro e antigo Tabriz Mahiuma.  Quanto as peças de decoração haverá um porta-joias em porcelana de Sèvres e uma Salva de prata de lei contrastada.

Beneficente

O 2º Leilão de Artes terá parte de sua arrecadação voltada para a Ação Social Ramos de Acácia que reverterá os recursos para a construção de seu “Templo de Caridade”. Mais informações sobre o Leilão através dos telefones (42) 3224 3010 ou (42) 99150036 (whatsap).

Sobre vinhos e harmonizações

O empresário da Adega Boulevard (Curitiba) e da Importadora Decanter (Blumenau), Paulo Thoms
O empresário da Adega Boulevard (Curitiba) e da Importadora Decanter (Blumenau), Paulo Thoms

“O melhor vinho é aquele que te agrada e que cabe no seu bolso”. Com vinte anos de experiência no mercado de vinhos, o empresário da Adega Boulevard (Curitiba) e da Importadora Decanter (Blumenau), Paulo Thoms, respondeu assim a pergunta sobre os melhores vinhos. Na noite de quinta-feira, o empresário e enólogo de prática, como ele mesmo diz, esteve em Ponta Grossa participando de eventos da Casa Leonardo e Leo Restaurante. No primeiro ele deu uma verdadeira aula sobre vinhos, e no segundo mostrou como harmonizar pratos e vinhos. “O segredo neste caso é que o peso tem que ser igual”, explicou, exemplificando que se a comida for leve e fresca, o vinho que acompanha também deve ser. Simples assim.

É claro que no ramo existem as harmonização chamadas perfeitas. O empresário citou o foie gras com um belo sauterne francês, o chocolate com vinho do porto, e uma carne grelhada temperada somente no sal e na pimenta com um malbec argentino. Estas seriam as perfeitas, mas com mais de mil rótulos em sua Adega, Thoms destaca que há infinitas harmonizações, dependendo do paladar do cliente. “Há vinhos caríssimos que não agradam a todos”, conta. Em sua Adega na capital paranaense, o empresário conta que os preços podem variar de R$ 20,00 a R$ 5.000,00. E garante que público há para todos. Conforme o empresário, existem rótulos que ainda ultrapassam, e muito, este valor. “Alguns da região de Borgonha e Bourdeaux na França que custam U$ 50 mil a garrafa”, comenta.

Em sua conversa com os alunos de História da Arte da Casa Leonardo, Thoms falou sobre vinhos dos mais diversos locais do mundo, e os mais apreciados no Brasil. “Os mais vendidos são os chilenos e os argentinos, depois aparecem os europeus da Península Ibérica”, enumera citando os famosos vinhos portugueses. Foram estes os que acompanharam os pratos do Leo restaurante, em seu primeiro jantar de harmonização. E agradaram.

Conforme Thoms os vinhos brasileiros, pelo menos os tintos, ainda tem um bom caminho pela frente. “Os apreciadores de vinho no Brasil ainda não estão preparados para pagar em um vinho brasileiro o mesmo que pagaria em um vinho chileno, por exemplo”, avalia, contando que o vinho brasileiro se iguala nos preços devido ao investimento nas vinícolas. “Eles cobram porque gastam para produzir”, destaca, cintando os custos com os barris de carvalho e o processo de engarrafamento.

Mas enquanto os tintos não são muito procurados, os brancos e espumantes brasileiros vêm ganhando mercado. “Se 75% do público brasileiro prefere vinhos importados, entre os brancos e espumantes é o contrário. A preferência maior é pelos nacionais”, revela. Apesar dos percalços da produção no Brasil, o empresário da Adega Boulevard, diz que o vinho brasileiro melhorou muito a partir do momento em que diminuiu o volume da produção.  Para ele, a grande fronteira do vinho no Brasil hoje é a campanha gaúcha. “É uma região que consegue ter uma estabilidade, que chove muito pouco. Lá tem uvas que apresentam uma condição interessante para se fazer um grande vinho”, avalia.

 

Chile em processo de mudanças

 

Alunos da História da Arte da Casa Leonardo aproveitaram as dicas do especialista em vinho e fizeram degustação de um vinho português.Tim tim
Alunos da História da Arte da Casa Leonardo aproveitaram as dicas do especialista em vinho e fizeram degustação de um vinho português.Tim tim

Os apreciadores dos vinhos chilenos estão prestes a não mais encontrar aquele vinho com o sabor característico do país vizinho. Isto porque, conforme o empresário Paulo Thoms, o país está em processo de transição em sua produção. “Quem costuma tomar o vinho conhece os que vêm do Chile, pois eles têm uma característica própria”, conta. E para diferenciar seus vinhos, os chilenos estão decididos a mudar esta “filosofia milenar” de produzir vinhos.

O que não é fácil. Mas as vinícolas já iniciaram o processo. De acordo com Thoms, os chilenos estão procurando por um processo mais natural para se fazer seus vinhos. Alguns produtores já estão trocando as barricas de carvalho para as antigas ânforas de barro. Além disso, a direção dos vinhedos sofreram alterações para o sol não atingi-los muito diretamente. “Hoje produzem vinhos de 15, 16 graus, e querem passar para um vinho de 12 graus”, explica.

Leo Restaurante traz cozinha portuguesa à PG

IMG_6984Cozinha diferenciada, decoração inusitada e uma nova opção para os ponta-grossenses degustarem os deliciosos pratos do chef português Zé Manuel. O profissional da cozinha internacional veio para o Brasil e trouxe com ele os segredos da gastronomia de seu país natal. O Leo Restaurante acaba de ser inaugurado, mas já está dando o que falar entre seus clientes. A comida mediterrânica portuguesa é o destaque, mas a brasilidade não foi deixada de lado na hora de montar um cardápio. “É claro que servimos o famoso bacalhau de Portugal. Mas procuramos ter uma diversidade nos pratos para atender todos os tipos de paladares”, explica o chef Zé, como é conhecido. Para ilustrar, ele logo falou de um de seus pratos, com uma mistura toda regional. O mignon ao molho madeira acompanhado de farofa de pinhão.  Neste prato, o destaque é o verdadeiro molho madeira. Como não poderia deixar de ser, já que o chef é natural da Ilha portuguesa que leva o mesmo nome.

Fora os ingredientes que vem direto de Portugal, como o famoso bacalhau, o Leo Restaurante  traz em seus pratos ingredientes, em sua maioria, regionais. E não é só o pinhão não. “Essa foi uma de nossas preocupações ao montar nosso cardápio. Aproveitar o que os Campos Gerais oferecem de melhor”, destaca o chef internacional, citando os embutidos do conhecido Açougue do Adi de Ponta Grossa, os queijos da Colônia de Witmarsun em Palmeira, e as massas artesanais utilizadas. Além, é claro, dos produtos da agricultura, que é riquíssima na região. “Prezamos muito pelo frescor dos alimentos”, garante o profissional da gastronomia, que em sua cozinha, prefere deixar de lado os produtos congelados.

E para harmonizar com essas delícias não poderiam faltar os vinhos. “Procuramos indicar vinhos de acordo com a harmonização da bebida e do prato pedido”, destaca o profissional da gastronomia, que procura sempre conversar com seus clientes e falar sobre as melhores opções. “Aplicamos um conceito bistrô”, avalia. Além de oferecer ótimos vinhos, o Leo Restaurante mantém dois ambientes. Um voltado para as refeições e outro para aqueles clientes que gostam de aproveitar um bom drink enquanto aguardam seus pratos. “Decidimos manter este ambiente, pois em Ponta Grossa são raros os locais que mantém espaços para o aperitivo”, conta o chef.

Evento

No clima de harmonização, o Leo Restaurante fará no dia 9 de junho em parceria com a Adega Boulevard de Curitiba um jantar harmonizado. Pratos elaborados exclusivamente para o evento acompanhados pelos melhores vinhos portugueses serão servidos. As reservas já podem ser feitas. Aproveite que as vagas são limitadas.

A proposta do jantar harmonizado foi realizada em parceria com a Casa Leonardo que conta com um curso sobre História da Arte. No dia 9 às 19 horas haverá uma aula sobre vinhos. “Faremos uma aula especial sobre a história dos vinhos”, antecipa a gerente comercial da Casa Leonardo, Maria Luiza Holzmann, completando que o jantar harmonizado será uma espécie de aula prática dos vinhos. “Primeiro a teoria e depois a degustação”, finaliza.

 

Artista ministra workshop para alunos

User comments
User comments

Estimular a criatividade das crianças com todos os tipos de arte. A artista plástica e coordenadora dos cursos da Casa Leonardo, Cristina Sá, convidou o artista Marcelo Schnitzler para ministrar um workshop para os alunos de Robótica e Moda Kids. Autodidata, Marcelo produz grafitti em telas e esculturas. Na noite de segunda-feira ele mostrou como se faz uma escultura. Mas o material que ele utiliza – em sua maioria – é reciclável.

Há cerca de um ano o artista descobriu que poderia fazer esculturas com fios de telefonia. “Achei um saco perto da minha casa. O ‘problema’ dos artistas é que quer levar tudo para casa pra ver o que se pode fazer”, fala, aos risos. E foi com este fio e com um alicate que Marcelo fez sua escultura em apenas uma hora. “Foi meu recorde”, confessou.20160606_202142

Marcelo conta que aprecia as artes desde quando criança. Ele começou a ‘explorar’ materiais, ainda pequeno, na loja de móveis de seu avô. O começo foi com a madeira, mas ele testou sua arte em diversos tipos de materiais, até chegar no arame que encontrou. “Era o que tinha. E deu certo”, diz.

Os alunos se impressionaram com o resultado e já “tentaram por a mão na massa”. “É muito importante mostrarmos outros tipos de trabalho. Eles podem servir de inspiração para as pessoas”, avalia a professora de moda da Casa Leonardo, Nessandra Cordeiro. “Todos os tipos de arte estimulam”, acrescenta.

Exposição “Ventre & Luz” segue até dia 14

“Não existe acontecimento mais importante que a chegada de seu filho ao mundo”. Aposto que todas as mamães ou futuras mamães concordam com a frase não é? Foi se inspirando nesta afirmação que a enfermeira Keli Giraldi deu início aos seus trabalhos como fotógrafa desde a gestação ao nascimento. Após se especializar em acompanhar muitos partos domiciliares é que a profissional se inspirou para realizar a Exposição “Ventre & Luz: Resgatando a essência do parto em casa”, que pode ser vista na Casa Leonardo.

Enfermeira oncológica, Keli conta que na oncologia presenciou as dores do processo da despedida. “Hoje, 10 anos depois, senti uma profunda necessidade de presenciar o processo da chegada. Entender qual o elo que liga as dores do parto e as dores do partir. Encontrar as semelhanças e as diferenças entre os dois principais eventos da vida”, relata.

O trabalho de Keli exige muita dedicação e comprometimento, já que não há hora certa para um bebê vir ao mundo, mas ela o faz com maestria, tentando demonstrar todas as etapas, das dores até a alegria de ver pela primeira vez, ao vivo, os filhos. “A fotografia do parto natural é um registro diferenciado dos outros registros fotográficos. Assim como a fotografia de casamento registra o início de uma vida a dois, a fotografia do parto registra o início da história de uma pessoa no mundo”, conta.

Conforme a fotógrafa, a ideia de expor a fotografia do nascimento em casa, surgiu pelo desejo e pela necessidade de quebrar o paradigma de que o parto é uma experiência dolorosa e sofrida e traumatizante para a mulher. “O objetivo é disseminar a ideia de que o parto pode ser uma experiência prazerosa e feliz. Contribuir para o processo de empoderamento feminino, ao divulgar um modelo de assistência obstétrica que valoriza a mulher e respeita suas decisões”, destaca, citando a empresa de parto domiciliar na qual atua “Ventre & Luz”. Para Keli, é uma demonstração que a gestação, parto e nascimento são processos singulares e sagrados.

Para falar sobre os temas, sua arte e o parto natural, a fotógrafa estará no próximo dia 14 às 19 horas na Casa Leonardo para uma roda de conversa sobre a “Fotografia de Parto Natural”. O evento é gratuito e aberto para quem se interessar, e conta com a parceria da “Ventre & Luz – Parto Domiciliar Planejado”. A Mostra Fotográfica segue na Casa Leonardo até o dia da Roda. Horário de visitação das 8h30 às 19 horas.

A fotógrafa

Keli Giraldi é enfermeira oncológica, pós graduanda em obstetrícia e fotógrafa de retratos femininos há 6 anos.

 

Casa Leonardo oferece Curso de Fotografia

Gosta de fotografar, mas não sabe se está utilizando a máquina da melhor maneira? A Casa Leonardo tem a solução. Um curso irá reunir grandes nomes da fotografia da região e do Estado para sanar todas as suas dúvidas e deixar os registros de seus melhores momentos ainda mais bonitos. O curso terá início no dia 18 de julho, com três aulas semanais, e duração de dois meses. Para o coordenador do curso, o fotógrafo Luiz Siqueira, o curso é uma ótima oportunidade para aprender ou se aperfeiçoar na fotografia. “Queremos mostrar novos olhares”, explica, completando ainda que em um pequeno espaço de tempo é possível dominar a câmera, aprender técnicas e “treinar” o olhar. “Para fazer uma fotografia bacana, temos que compreender a composição e o enquadramento”, explica.

Esta será a quinta edição do curso de fotografia da Casa Leonardo. “Pessoas que passaram por aqui já estão trabalhando com a fotografia de maneira profissional”, destaca Siqueira. E não é para menos, já que sete profissionais estão entre os professores. João Prospiter e Thiago Dea da capital paranaense, e Rodrigo Czekalski, Luiz Augusto Estacheski, Bruno Henrique, Luiz Augusto Estacheski e o coordenador Luiz Siqueira de Ponta Grossa compreendem o quadro docente.

Para passar uma visão ampla da fotografia, o grupo de profissionais abordará a história da fotografia, foto em estúdio, fotografia de rua e natureza, mercado fotográfico, além de programas como photoshop e lightroom. As aulas do curso de fotografia acontecem na Casa Leonardo nas segundas e quartas-feiras das 19 às 22 horas e aos sábados das 9 às 12 horas. Para inscrições e informações do curso ligar para (42) 32243010 ou 99150036 (whatsApp). As vagas são limitadas.

A arte de fazer bonecas

Um hobby que virou fonte de renda. A primeira boneca de pano de Rosana Siqueira veio ao mundo há três anos, e agora – depois de muitas bonecas – ela já vai passar os seus conhecimentos para quem também quer ter um hobby ou quer se inserir no mercado de trabalho através dos trabalhos manuais. “Participei de um curso de bonecas há alguns anos e me apaixonei”, conta a artista, que será a instrutora de um novo curso da Casa Leonardo.

Moldes, vestimentas, cabelos. Todos os detalhes serão abordados durante as aulas. E o resultado? “Depende de cada artista. Cada pessoa dá seu toque especial”, explica Rosana,  destacando que a base é a mesma, mas que o trabalho irá depender da criatividade de cada um. E é justamente isso que a Casa Leonardo preza em suas atividades do dia a dia. Seja com as aulas de pintura, escultura, musicalidade, ou fotografia. “Damos as ferramentas, mostramos as técnicas e deixamos as pessoas livres para fazer arte”, exulta a coordenadora da Casa, e artista plástica, Cristina Sá.

É claro que a habilidade manual conta muito para a produção das bonecas. Rosana, por exemplo, desde criança se interessa por este tipo de atividades. “Já fiz corte e costura, bordado, e por aí vai”, relembra. Toda esta bagagem a ajudou a ‘estilizar’ suas bonecas, que são feitas costuradas a mão e em máquinas. Tudo isso, ela passará aos seus alunos do novo curso da Casa Leonardo. “O composé das cores e as combinações também são muito importantes”, ressalta.

O curso completo será realizado durante seis meses, com aulas semanais. “O investimento do curso, para quem visa uma renda extra, retornará em pouquíssimo tempo”, garante a gerente comercial Maria Luiza Holzman. Conforme Rosana, uma boneca que custou R$ 40, poderá ser vendida a R$ 80. “Uma boneca rica em detalhes pode levar uma semana para ser feita”, conta, destacando o valor do trabalho dos artistas manuais. Vale destacar ainda que são trabalhos manuais e diferenciados, que não são encontrados no mercado.

Além do tecido, as bonecas podem levar outros materiais, como EVA, algodão e a lã. “Também podemos utilizar materiais recicláveis”, adianta a artista, citando as bonecas “sustentáveis”. Mais informação sobre este curso e outros da Casa Leonardo através dos telefones 32243010/ 99150036 (whatapp). A primeira turma do Curso de Bonecas terá início no dia 6 de junho.